Tour “Brasil – 30 Anos”

“Show Brasil 30 anos” – por Itaici Brunetti

Ratos de Porão celebra três décadas do álbum Brasil, tocando o disco na íntegra e mostrando que suas músicas seguem mais atuais do que nunca

Álbuns clássicos não envelhecem. Em alguns casos, se tornam mais poderosos do que quando lançados por tratarem de temas atemporais. Um dos maiores exemplos nacionais é o clássico Brasil, quarto disco do grupo Ratos de Porão, de 1989. Uma crítica política e social em forma de pedrada sonora que retratava a triste realidade do nosso país que insiste em não mudar.

A letra da música Amazônia Nunca Mais, que diz: “O homem branco com seu sujo poder escravizou e prostituiu. Se aproveitou da pura inocência dos verdadeiros filhos do Brasil” poderia muito bem ter sido escrita em 2019, ano em que o governo brasileiro tem como medida passar a demarcação de terras indígenas para o Ministério da Agricultura.

O mesmo vale para Farsa Nacionalista, que tem os dizeres: “A pátria armada nas mãos dessa cambada de extrema direita. T. F. P. Ficará manipulada por burgueses moralistas e não há lugar para você”. Ou para Porcos Sanguinários, que diz: “Abuso de poder. Falso moralismo. Merda na cabeça. Na mão um três oitão”. Frases que fazem todo o sentido para os brasileiros que estão vendo (e vivenciando) o caminho opressor da atual presidência do país.

Empunhando essas poderosas músicas de protesto, de realidades nuas e cruas jogadas na cara da sociedade, o Ratos de Porão vai para a estrada apresentar o show “Brasil 30 anos”, onde homenageia e toca na íntegra esse álbum de três décadas de vida que insiste em não ficar velho. Isso somado à experiência de palco que João Gordo (vocal), Jão (guitarra), Boka (bateria) e Juninho (contrabaixo) adquiriram em extensas turnês pelo mundo todo em quase 40 anos de carreira, se tornando uma das bandas mais poderosas que existe ao vivo.

Brasil continua sendo considerado por muitos fãs o melhor trabalho da banda. Tanto pelas letras realistas com a situação do Brasil de 1989 (e agora com a de 2019), quanto por ter unido o punk rock com o trash metal em um crossover sonoro inédito no país. É um marco na história da música nacional que retorna após 30 anos em forma de turnê.

Quando João Gordo, com toda a sua raiva, cantar nos shows: “Cuidado com o poder do regime militar. O tempo vai retroceder” e “Ame-o ou Deixe-o. Essa era a solução de Médici e sua corja, imposta para o povo do Brasil, Brasil, Brasil”, da música Retrocesso, é só trocar os nomes dos governantes para ver que um clássico realmente não envelhece.

Um álbum necessário em 2019. Um show ainda mais.

    
      
      

Contato para shows:

Erica Imazawa: eimazawa@uol.com.br